Autárquicas: 70% de mexidas em delfins do PS no distrito de Coimbra

70

Setenta por cento dos herdeiros políticos de autarcas do PS candidatos a terceiro mandato consecutivo em presidências de câmaras do distrito de Coimbra representam novas escolhas no âmbito das eleições autárquicas de 26 de Setembro.

A mexida, que impressiona pela sua amplitude, constitui um ‘caso de estudo’, independentemente de ser impossível encará-la de forma linear.

Em sete das 12 câmaras municipais do distrito conimbricense cujas lideranças estão confiadas aos PS, os seus presidentes aspiram à reeleição. Na Figueira da Foz e em Penacova, Góis, Tábua e Oliveira do Hospital há novos candidatos.

Há autênticas surpresas, aos olhos do cidadão médio, e alterações mais ou menos esperadas. Os concelhos de Condeixa-a-Nova (liderado por Nuno Moita), Miranda do Corvo (Miguel Baptista) e Lousã (Luís Antunes) são palco de surpresas; no de Soure (Mário Jorge) a mudança era expectável, no de Vila Nova de Poiares (João Henriques) nem tanto.

Em Condeixa, deu nas vistas a ascensão do vereador António Ferreira do quarto para o segundo lugar do elenco socialista, sendo que Liliana Pimentel, cuja vice-presidência parecia consolidada, optou por ficar de fora.

Miranda protagoniza outra mudança relativamente inesperada, com Armando Ferreira (provedor da Misericórdia de Semide) a suceder a Ana Gouveia como herdeiro político do líder do Município.

Quanto ao concelho da Lousã, sai de cena o vice-presidente Rui Lopes, cabendo à vereadora Henriqueta Oliveira o segundo lugar da lista do PS.

Em Soure, era expectável que Nádia Gouveia fosse apeada devido ao relacionamento tenso com Mário Jorge, independentemente de ela ser filha de João Gouveia (ex-presidente da Câmara) e casada com Pedro Coimbra (anterior líder distrital do PS/Coimbra).

Substituída por Teresa Pedrosa, chefe do gabinete de Mário Jorge, Nádia Gouveia é vereadora (cessante), sem pelouros. A vice-presidência da Câmara tem estado confiada a Américo Nogueira.

Motivos da vida familiar do vice-presidente da principal autarquia de Poiares, Artur Santos, estarão na base da sua substituição por Maria da Luz Pedroso (membro da Assembleia Municipal).

Quanto a Coimbra e a Montemor-o-Velho, onde os presidentes (Manuel Machado e Emílio Torrão) também aspiram à reeleição para terceiro mandato consecutivo, os respectivos herdeiros políticos não mudam.

Em Coimbra, Carlos Cidade permanece à cabeça do elenco de potenciais vereadores socialistas, tendo ascendido à vice-presidência, há quatro anos, em substituição de Rosa Reis Marques. Em Montemor-o-Velho, o segundo lugar da lista do PS para a Câmara continua a caber a José Veríssimo.

fonte: noticias de coimbra