Chega pede contas ao coordenador do plano de vacinação

31

O Chega pediu hoje a audição, no parlamento, de Francisco Ramos, coordenador do plano de vacinação contra a covid-19, para dar explicações sobre “a total desorganização” em que diz estar a decorrer.

Na carta que enviou à presidente da comissão parlamentar de Saúde, o deputado André Ventura argumentou que são necessários esclarecimentos sobre os casos de vacinação de pessoas sem estarem na lista de prioridades, como aconteceu com o INEM Porto ou com políticos ligados ao PS, como o autarca de Reguengos de Monsaraz ou a diretora da Segurança Social de Setúbal.

Em vez de assumir responsabilidades, acusou o deputado, o ex-secretário de Estado da Saúde “opta por um discurso de ataque a intervenientes políticos cuja responsabilidade no processo de vacinação é rigorosamente nenhuma”.

Numa entrevista à SIC-Notícias, no sábado à noite, Francisco Ramos considerou condenou alguns episódios de vacinação de pessoas que não estariam entre os grupos prioritários desta primeira fase, como aconteceu na delegação do Norte do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) e na Segurança Social de Setúbal, mas demarcou a ‘task-force’ desses casos.

Francisco Ramos admitiu que essas pessoas venham a tomar a segunda dose e recusou qualquer lógica de “justiça popular”.

“Não cabe a esta estrutura infligir castigos nessa matéria. Essa pergunta explica um pouco aqueles 11% ou 12% nas eleições presidenciais do passado domingo, um espírito vingativo que não me parece que seja muito bom para uma sociedade solidária como a nossa”, disse, numa referência a André Ventura, o candidato apoiado pelo Chega.

fonte: noticias de coimbra