Conselho de Ministros: Todo o país em estado de contingência a partir de 15 de setembro

75

Em conferência de imprensa, Mariana Vieira da Silva, ministra de Estado e da Presidência, referiu que o Governo decidiu que se devem manter as mesmas medidas que existiram até aqui na próxima quinzena e que, a partir de 15 de setembro, todo o país entra em estado de contingência.

“Os números do último dia e aquilo que sabemos dos números de hoje mostram um aumento do número de casos e, por isso, apesar desta tendência decrescente na região de Lisboa e Vale do Tejo e da tendência relativamente constante ao longo da última quinzena, o Governo considera que aquilo que deve é continuar exatamente com as mesmas medidas que existiam até aqui na próxima quinzena”, afirmou a ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva.

“Para a quinzena que se inicia a 1 de setembro, mantém-se exactamente as mesmas medidas que tínhamos até aqui — e isto acontece porque os números estão estáveis, a resposta do SNS está controlada e a capacidade de testes tem vindo a aumentar — mas decidimos desde já que a partir de 15 de setembro o país estará em estado de contingência com um conjunto de medidas para preparar o outono e o inverno e que serão apresentadas na semana que se inicia a 7 de setembro”, referiu.

“O Governo decidiu que na quinzena que se inicia a 15 de setembro, todo o país ficará em estado de contingência, para que possamos definir as medidas que precisamos de organizar em cada área para preparar o regresso às aulas e o regresso de muitos portugueses ao seu local de trabalho”, explicou.

Mariana Vieira da Silva frisou ainda que se verifica, nesta quinzena, “uma tendência de estabilização dos números nas várias regiões, tendo a região de Lisboa consolidado a tendência decrescente”.

“Desde o início de julho, a tendência de constante redução dos internados em enfermaria, bem como em unidades de cuidados intensivos, dão-nos a informação de que o SNS tem neste momento condições de resposta a esta pandemia”, começou por garantir.

“Por outro lado, a tendência constante que temos tido no número de testes que realizamos mostram-nos que o Governo tem a capacidade de testar a população em níveis de muito significativos — Portugal é um dos países que mais testa — agosto mostra-nos uma média de mais de 13 mil testes por dia e que a sua percentagem de testes positivos é menor do que acontecia até aqui”, afirmou.

fonte:sapo