Covid-19: Mais de 300 doentes em Portugal já foram tratados com antiviral Remdesivir

34

Mais de 300 doentes com covid-19 em Portugal foram já tratados, desde março, com o medicamento antiviral remdesivir, da farmacêutica Gilead, indicado para adultos e adolescentes com pneumonia que necessitem de oxigénio suplementar, anunciou hoje a empresa.

“Em Portugal, desde março que os doentes com Covid-19 têm acesso ao medicamento Veklury [nome comercial do remdesivir]. À data já foram tratados mais de 300 doentes, um número que tem vindo a aumentar de acordo com a evolução da pandemia no nosso país”, afirmou o diretor-geral da Gilead Sciences em Portugal, Vitor Papão, em declarações à agência Lusa.

Falando à Lusa no dia em que a farmacêutica assinou um acordo de aquisição conjunta com a Comissão Europeia para fornecimento de 500 mil ciclos de tratamento do antiviral a doentes de vários países europeus, o responsável assegurou que “o Infarmed e a Gilead vão continuar a trabalhar no sentido de gerir de forma eficaz a disponibilidade do medicamento Veklury, garantindo assim uma adequada resposta às necessidades dos doentes”.

“Até ao momento, os doentes tratados com Veklury não representaram quaisquer encargos para o serviço nacional de saúde, uma vez que o medicamento foi doado pela Gilead até junho, tendo a partir dessa data sido disponibilizado medicamento adquirido pela Comissão Europeia ao abrigo do instrumento de apoio de emergência”, apontou Vitor Papão.

O remdesivir foi o primeiro medicamento autorizado na União Europeia (UE) para tratar a covid-19.

Hoje, o executivo comunitário assinou um acordo de aquisição conjunta com a Gilead em nome de todos os países da UE, do Espaço Económico Europeu, do Reino Unido e ainda dos seis países candidatos e potenciais candidatos (Albânia, Macedónia do Norte, Montenegro, Sérvia, Kosovo e Bósnia e Herzegovina).

Isto significa que todos os países participantes podem agora fazer as suas encomendas para adquirir diretamente remdesivir.

O antiviral remdesivir é até ao momento o único medicamento com autorização condicional de comercialização na UE para o tratamento de pacientes covid-19 que necessitam de fornecimento de oxigénio.

O novo contrato com a farmacêutica surge após um anterior efetuado no verão para assegurar perto de 33 mil doses de remdesivir, que têm sido distribuídos em toda a UE e no Reino Unido desde agosto.

O objetivo é que, com os novos ciclos de tratamento adquiridos, se consiga cobrir as necessidades imediatas, visando assim assegurar que os pacientes graves são tratados.

Para isso, “a Gilead começará a implementar o acordo de aquisição conjunta na semana de 12 de outubro”, isto é, na próxima, adiantou Vitor Papão à Lusa.

“Antecipamos que a disponibilidade de remdesivir possa responder à procura em tempo real nos países europeus”, concluiu o responsável.

Sediada nos Estados Unidos, a Gilead tem operações em mais de 35 países em todo o mundo.

fonte:noticias de coimbra