Líder da oposição russa internado por alegado envenenamento

70

A informação foi avançada pela sua porta-voz na rede social Twitter. De acordo com a imprensa internacional, Alexei Navalny está em estado grave e internado nos cuidados intensivos.

Olíder da oposição russa, Alexei Navalny, está inconsciente e a receber “tratamento intensivo” numa unidade hospitalar depois de, alegadamente, ter sido envenenado, como indicou a sua porta-voz, Kira Yarmysh, citada pela Al Jazira.

Esta quinta-feira, indicou na rede social Twitter a porta-voz, Navalny viajava da Sibéria para Moscovo quando o avião em que seguia teve de fazer uma aterragem de emergência, em Omsk, porque o principal opositor do presidente russo Vladimir Putin se sentiu mal.

Segundo a porta-voz, “Alexei foi envenenado, intoxicado” e “agora está nos cuidados intensivos” no hospital de Omsk, na Sibéria.

“Achamos que Alexei foi envenenado com algo misturado no chá. Ele não bebeu mais nada esta manhã”, disse, acrescentando que “os médicos relataram que o veneno foi rapidamente absorvido pela bebida quente “.

O político está em estado grave, informou a agência de notícias estatal russa Tass, citando o médico-chefe do hospital.

A informação foi corroborada, há momentos, por Kira Yarmysh, que indicou também no Twitter que Alexei está ligado a um ventilador e que “está em coma em estado grave. Não há resultados do teste ainda”. 

No ano passado, Navalny foi levado às pressas da prisão para um hospital, onde cumpria pena após uma prisão administrativa, com o que a sua equipa disse ser suspeita de envenenamento.

Na altura, os médicos disseram que ele teve um grave ataque alérgico e mandaram-no de volta para a prisão no dia seguinte.

Principal opositor a Vladimir Putin, o advogado cujas publicações anticorrupção são amplamente compartilhadas nas redes sociais, já sofreu ataques no passado.

Em 2017, Navalny foi pulverizado nos olhos com um desinfetante quando deixava o seu escritório.

Navalny, os seus apoiantes e famílias são regularmente submetidos a prisões, revistas e pressão policial em toda a Rússia.

fonte:noticiasaominuto