Putin anuncia que a Rússia desenvolveu a “primeira” vacina contra o coronavírus — e a filha já a tomou

56
SOCHI, RUSSIA - MARCH 17: Russian President Vladimir Putin attends an awarding ceremony for Russian team members who won medals at the Winter Paraltmpic games on March 17, 2014 in Sochi, Russia. Russia topped the medal table at the 2014 Winter Paralympics with 80 medals, 30 of which were gold. (Photo by Sasha Mordovets/Getty Images)

A Rússia desenvolveu a “primeira” vacina contra o coronavírus, que provoca uma “imunidade duradoura”, disse esta terça-feira o presidente Vladimir Putin durante uma videoconferência com membros do governo exibida pela televisão. A vacina entrar em circulação em 1 de janeiro de 2021, segundo o Ministério da Saúde da Rússia.

A Rússia tornou-se hoje o primeiro país do mundo a registar uma vacina contra o novo coronavírus, anunciou o presidente russo, Vladimir Putin, acrescentando que uma das suas filhas já foi inoculada.

“Esta manhã foi registada, pela primeira vez no mundo, uma vacina contra o novo coronavírus”, disse Putin durante uma reunião com membros do governo russo.

As autoridades russas já haviam anunciado que os profissionais de saúde, professores e outros grupos de risco serão os primeiros a serem inoculados.

No entanto, muitos cientistas no país e no estrangeiro questionaram a decisão de registar a vacina antes de os cientistas completarem a chamada Fase 3 do estudo.

Essa fase por norma demora vários meses e envolve milhares de pessoas e é a única forma de se provar que a vacina experimental é segura e funciona.A primeira vacina a covid-19 registada no mundo vai entrar em circulação em 01 de janeiro de 2021, segundo o Ministério da Saúde da Rússia.

A data para a distribuição da vacina russa contra o covid-19 foi indicada pela entidade oficial da Rússia que regista medicamentos e que pertence ao Ministério da Saúde, noticia a France-Presse, que cita as agências de notícias russas.

Nas últimas semanas, a Rússia “garantiu” a produção de milhares de doses de vacinas contra o novo coronavírus e “vários milhões” no princípio do próximo ano.

Na altura, a Organização Mundial da Saúde pediu respeito pelos protocolos e regulamentos em vigor sobre o desenvolvimento de uma vacina anti covid-19.

Há vários meses que cientistas e investigadores na Rússia têm estado envolvidos na descoberta de uma vacina, tal como outros países em todo o mundo.

Os investigadores do centro Gamaleia, na Rússia, trabalham em colaboração com o Ministério da Saúde russo.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

O novo coronavírus já infetou mais de 20 milhões de pessoas em todo o mundo, desde o início da pandemia, mais de metade das quais no continente americano, de acordo com o último balanço feito pela France-Presse (AFP).

Segundo o balanço feito pela AFP a partir de fontes oficiais de vários países, às 22:15 GMT de segunda-feira, no total, foram registados 20.002.577 casos, incluindo 733.842 mortes.

Quatro em cada 10 casos confirmados de covid-19 são nos Estados Unidos da América (EUA) e no Brasil, os dois países mais afetados pela pandemia em todo o mundo, com 5.075.678 casos (163.282 óbitos) e 3.057.470 infeções (101.752 mortes), respetivamente.