Rui Pinto e Isabel dos Santos “pegados” no Twitter. “É verdade que lhe vão pagar salário e dar casa?”

142
(FILES) In this file photo taken on February 05, 2018, Angolan businesswoman Isabel dos Santos visits the new started EFACEC Portuguese corporation's electric mobility industrial unit, in Maia. - A court order that froze assets of Angola's billionaire former first daughter Isabel dos Santos was "unfair, improper" and based on fake documents, one of her lawyers has said. Last December a Luanda civil court issued a "preventive" order to freeze her businesses assets. (Photo by MIGUEL RIOPA / AFP)

Rui Pinto voltou ao ataque no Twitter e levantou a hipótese de a família dos Santos ser a proprietária de Herdade da Torre Bela, no Ribatejo. A empresária respondeu e acusou-o de viver de “fofocas”.

É um facto: Rui Pinto está mais ativo no Twitter — especialmente desde que foi libertado no início do mês e se encontra ao abrigo de um programa de proteção de testemunhas. Este sábado voltou ao ataque: o alvo foi Isabel dos Santos. A empresária angolana não se deixou ficar e respondeu este domingo às acusações. No final, deixou-lhe uma pergunta, em tom provocatório: “É verdade que lhe vão pagar salário como funcionário público e dar casa?”

tweet do hacker que vai em setembro enfrentar um julgamento levanta a hipótese de a família Dos Santos ser “a real proprietária de uma das maiores propriedades muradas da Europa”, referindo-se à Herdade da Torre Bela, e de “cerca de uma dezena de outras propriedades na zona do Oeste”. Na mesma publicação, o criador do site Football Leaks partilha dois textos — cuja origem não é percetível — que levantam também a hipótese de o pai de Isabel dos Santos (antigo presidente angolano) ter adquirido a propriedade em causa.

Horas depois, a empresária angolana usou a sua própria conta no Twitter para responder a Rui Pinto, responsável pelos Luanda Leaks, que detalham alegados esquemas financeiros de Isabel dos Santos e do marido que lhes terão permitido desviar dinheiro de fundos públicos angolanos.

Engraçado Rui Pinto estar a fazer estas perguntas. Pensei que fosse um hacker com 715 mil documentos. Pelos vistos é um mero curioso que vive de fofoca. E é verdade que lhe vão pagar salário como funcionário público e dar casa?”.

Na semana passada, a PJ emitiu um comunicado esclarecer que não contratou o hacker nem sequer que lhe esteja a pagar qualquer vencimento, ao contrário do que foi avançado pelo Correio da Manhã. Mais: este órgão de investigação criminal esclareceu que “todas as despesas” com a proteção do arguido estão “ao abrigo do programa de proteção de testemunhas”.

Rui Pinto estava em prisão preventiva desde 22 de março de 2019 e foi colocado em prisão domiciliária a 8 de abril deste ano, mas em habitações disponibilizadas pela Polícia Judiciária. Na sequência de um requerimento apresentado pela defesa do arguido, a juíza Margarida Alves, presidente do coletivo de juízes que vai julgar Rui Pinto, decidiu colocá-lo em liberdade. O alegado pirata informático deixou as instalações da PJ este domingo. Ficou agora inserido no programa de proteção de testemunhas, sendo obrigado a apresentações semanais às autoridades.

Rui Pinto começa a ser julgado em 4 de setembro no Tribunal Central Criminal de Lisboa por 90 crimes: 68 de acesso indevido, 14 de violação de correspondência, seis de acesso ilegítimo e ainda por sabotagem informática à SAD do Sporting e por tentativa de extorsão ao fundo de investimento Doyen.

fonte:observador