Silêncio. Autoridades de Saúde não falam sobre os concertos de Andrea Bocelli!

79

O tenor italiano Andrea Bocelli atua hoje no Estádio Cidade de Coimbra, no primeiro de dois concertos que contam com a participação especial da fadista Mariza.

Andrea Bocelli atua pela primeira vez em Portugal num estádio de futebol, depois de, em 2017, ter esgotado a Altice Arena, em Lisboa.

Os dois concertos, a realizar hoje e no sábado, “deverão ter lotação esgotada”, segundo previsões assumidas pela empresa promotora, Memories of Tomorrow (MOT), mas a esta hora (8:30) ainda há bilhetes.

Em declarações, à Lusa, o diretor executivo da MOT, Tiago Castelo Branco, disse que a capacidade admitida para o Estádio Cidade de Coimbra é de 13.450 espetadores, em cada dia, em cumprimento das regras sanitárias fixadas pela Direção-Geral da Saúde (DGS), face à pandemia da covid-19.

O Notícias de Coimbra questinou a Administração Regional de Sáude do Centro sobre as medidas em vigor nos concertos de Coimbra, mas a entidade presidida por Rosa Reis Marques não respondeu.

A Direção Geral da Saúde admitiu ao nosso jornal que “fez um parecer sobre o evento”, sendo o mesmo permitido de acordo com o plano e regras de funcionamento propostos pela organização, no entanto, a instituição liderada por Graça Freitas, apesar de termos  feito diversos pedidos, não quis revelar o teor do documento, rementendo para a promotora, 

Andrea Bocelli deveria ter atuado em Coimbra, no dia 04 de julho de 2020, no âmbito das festas da cidade, mas o concerto foi cancelado devido à pandemia, que chegara a Portugal em março.

A DGS concordou com a sua realização em novas datas, na condição de ser repartido por dois dias, num estádio de futebol cuja capacidade máxima ronda os 30 mil lugares.

Segundo o promotor do evento, “não haverá intervalo”, nem funcionarão os serviços de bar e cafetaria, devendo a saída das pessoas do Estádio Cidade de Coimbra, junto à igreja de São José, ser efetuada “de forma controlada e por setores”.

Os espectadores terão de usar máscara e serão sujeitos a medição da temperatura à entrada do estádio, onde dispõem de vários pontos com álcool gel para desinfetar as mãos.

No caso destes concertos, como a venda de bilhetes já se encontrava iniciada, à data da atualização da norma que veio impor a obrigatoriedade de testes à covid-19, a partir de um determinado número de espectadores, não têm os exames de ser realizados, seguindo a promotora as recomendações da DGS para o evento.

A norma emitida pela DGS, há uma semana, recomenda a realização de testes à covid-19 nos eventos culturais, quando o número de espectadores for superior a mil, em espetáculos ao ar livre, e a 500, em espaços fechados.

Para o exterior do estádio, nos dois dias do concerto, a Câmara de Coimbra determinou entretanto o encerramento das esplanadas, a proibição da venda ambulante e a restrição da circulação rodoviária.

De acordo com o edital, o estacionamento na Praça 25 de Abril fica condicionado a pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida, portadoras de bilhetes para os concertos, sendo também proibido o estacionamento de veículos no interior de todo o perímetro, entre a meia-noite de hoje e as 08:00 de domingo.

O perímetro de segurança envolve as ruas D. Manuel I, do Estádio, Júlio Dinis, D. João III e a zona de estacionamento entre a Rua do Brasil e a Rua D. Manuel I.

No edital, é ainda recordado que houve parecer técnico favorável emitido pela PSP a 16 de junho.

O concerto é coorganizado pela Câmara de Coimbra, a Associação Académica de Coimbra – Organismo Autónomo de Futebol e a MOT.

fonte: noticias de coimbra