Um em cada cinco estudantes de Coimbra já pensou em suicídio no confinamento

37

Um em cada cinco estudantes já pensou em suicídio e um em cada sete em abandonar os estudos durante o confinamento. São dados “alarmantes e dantescos” disse hoje João Assunção, presidente da AAC na apresentação do estudo sobre o impacto do confinamento nos estudantes de Coimbra.

O desemprego dos estudantes, que em muitos casos viram os postos de trabalho encerrados, é outro dos fatores que está a dificultar o suporte das despesas dos universitário de Coimbra, nomeadamente no que toca às propinas.

“No que toca à capacidade financeira do agregado familiar, um terço dos estudantes viu-se com dificuldades em suportar as despesas relativas à habitação estudantil e, para além disso, 1 em cada 5 estudantes demonstrou dificuldades em suportar despesas relativas a propinas, taxas e emolumentos.”

Sete em cada dez estudantes pensaram em abandonar o ensino superior, revela o mesmo estudo da AAC que lança um repto ao Governo para apoiar mais os estudantes durante a pandemia. João Assunção disse em conferência de imprensa que, com os resultados deste estudo, publicado em livro pela da Associação Académica de Coimbra, a academia vai levar o assunto aos partidos com assento parlamentar.

O estudo analisa os efeitos do confinamento nos estudantes, nomeadamente nas áreas da saúde mental, do desempenho académico e da capacidade financeira dos seus agregados familiares. A amostra foi composta por 1.484 estudantes, na sua maioria do sexo feminino, de nacionalidade portuguesa e solteiros, representando a comunidade discente da Universidade de Coimbra.

“Dos dados recolhidos destaca-se que durante o confinamento 98% dos estudantes se sentiram emocionalmente fragilizados, descrevendo-se recorrentemente como depressivos, frustrados, angustiados, nervosos e ansiosos. Mais alarmante ainda, 1 em cada 5 estudantes pensou pelo menos uma vez em suicidar-se” – foi revelado por João Assunção.

“No que toca à capacidade financeira do agregado familiar, um terço dos estudantes viu-se com dificuldades em suportar as despesas relativas à habitação estudantil e, para além disso, 1 em cada 5 estudantes demonstrou dificuldades em suportar despesas relativas a propinas, taxas e emolumentos.

Também a própria Associação Académica de Coimbra está a braços com dificuldades financeiras.

fonte: noticias de coimbra